segunda-feira, abril 26

Triatlo Longo de Lisboa

Terceira participação nesta prova e pela primeira vez desfrutei em completo do prazer que podemos ter em superar estas distâncias. Em 2008, sendo a primeira vez, paguei cara a inexperiência e, também pelo calor excessivo, senti muitas dificuldades na corrida. Em 2009 acho que fui um pouco obcecado com os tempos e não estive verdadeiramente descontraído. Este ano decidi não levar nem conta-quilómetros, nem relógio. Fazer a prova o mais descontraído possível e desfrutar da sua beleza (verdadeiramente espectacular), da sua organização (do melhor em Portugal) e gozar da companhia de tão ilustres triatletas (coisa que nas provas sprint nem dá para pensar).
Partida (Fotos FTP)
As condições atmosféricas não poderiam ser melhores: um dia sem vento, sem chuva e sem calor (talvez não se repita). Às 7h coloquei o equipamento no parque (ainda tive que voltar ao carro porque me esqueci dos óculos) e fui para a partida. Um amanhecer bonito que proporcionou uma partida em beleza e sem muito stress (também estavam menos participantes este ano). Acabei com 33'29, menos meio minuto que o ano passado.
A pedalar no IC2
No ciclismo sem ter referências, percebi que se estava a andar muito bem, pois muita gente passava rápido (sem vento é tudo mais fácil). Mas eu sentia-me bem e mantinha o meu andamento certo, sabendo que a corrida final me esperava. Acabei com 2h40, menos 10' que o ano passado.
Assim vale a pena correr
Entrei para a corrida e quando acabei a primeira volta (vendo o relógio da meta) apercebi-me que estava com hipóteses de baixar das 5 horas. Foi uma sensação óptima, ainda por cima quando me estava a sentir solto e corria sem esforço. Controlei as voltas seguintes e batia certinho: 24'30 cada volta. Só me custou um pouco a última volta devido a uma dor no joelho, mas com o aproximar da meta até isso passou. Cruzei o pórtico com 4h55 e uma grande satisfação. Fiz uma prova perfeita sem me preocupar com os tempos e gozando o prazer de superar esta distância, verdadeiramente mais aliciante do que as provas curtas em que não chegamos a tirar grande satisfação pessoal. Contas feitas, tirei 15' ao tempo de 2009.
Mais uma foto espectacular
Uma massagem (óptimo serviço) e um duche puseram-me pronto para esperar pela festa no casino.

Pena que ao chegar ao carro tivesse um presente da EMEL. A entrega de prémios este ano foi mais fraquinha em tudo, até pelo lado dos comes (que não houve). Talvez o único ponto em que a organização piorou. De resto uma prova excelente, com um cenário excelente e uma organização quase perfeita.
Da atitude de alguns triatletas não tem culpa a organização (talvez os juízes possam actuar mais) como fica demonstrado nesta foto:

Classificação dos atletas do PENICHE A.C.
100º Sica 4h44.00 26º (35-39 anos)
155º Paulo Renato 4h55.39 17º (45-49 anos)
213º Henrique 5h10.28 68º (35-39 anos)
233º Rui Antunes 5h17.52 41º (30-34 anos)
Geral - Masculinos

Recordar o XTerra


Para quem não esteve na Figueira da Foz tem aqui oportunidade para ver a espectacularidade da prova e o seu grau de dificuldade!

quinta-feira, abril 22

Triatlo Longo de Lisboa


É já no sábado, dia 24...
O nervoso miudinho cresce :-)
Esperam-me 1,9km de natação + 90km de ciclismo + 21km de corrida!!!
Mas como vai ser a terceira participação, não é uma coisa desconhecida, é sim um grande desafio às minhas capacidades. Chegar ao fim é bom, melhorar um pouco em relação ao ano passado, é óptimo. Vamos ver!

quarta-feira, abril 21

terça-feira, abril 20

Campeonato Nacional de Duatlo

Fotos: FTP e João Correia
Realizou-se no sábado dia 17, em Matosinhos, o duatlo que determinou os campeões nacionais absolutos nesta variante. São eles: Sérgio Silva (Camarnal) em masculinos e Maria Areosa (Oeiras) em femininos.
Com distância standard (10km de corrida + 40km de ciclismo + 5km de corrida) a prova disputou-se com condições atmosféricas adversas (vento e chuva), obrigando a um esforço redobrado dos atletas.

Para as cores de Peniche os resultados foram brilhantes ao incluir 3 atletas no top 25 e duas medalhas de prata averbadas: Veteranos 1 - Joel Marcelino e Veteranos 2 - Mário Sousa. Azar para o Silvino que não conseguiu completar a prova ao entrar em hipotermia.

Classificação do atletas do PENICHE A.C.
16º Nelson Major 2h04.17 - 12º SN
17º Joel Marcelino 2h05.23 - 2º V1
25º Mário Sousa 2h10.25 - 2º V2
73º Luís Pereira 2h28.38 - 6º V2
DNF Silvino Muchacho

Participantes:
113 masculinos + 9 femininos

terça-feira, abril 13

Quarteira - Taça da Europa


Fotos de António Pedro

Quarteira - Taça de Portugal


10 de Abril, triatlo da Quarteira, homenagem ao prof. Carlos Gravata.
Mar com grande ondulação, as ondas a rebentarem forte no areal, alguns triatletas indecisos, mas para os penicheiros habituados a estas andanças, nada de mais. Foi preciso vencer a rebentação e até à segunda bóia deu bastante luta... só acalmou no regresso à praia. Aí começou o segundo problema: levanto-me, puxo o fecho-ecler do fato isotérmico e nada..... Encravado!!!!!! Raios e coriscos, algumas asneiras pelo meio, vou até à bicicleta a pensar o que fazer???? Não dá para pedalar de fato isotérmico vestido... Última solução: recorrer a alguém do público. Lá me safaram a fita do fecho da lycra que estava metida no meio do fecho do fato isotérmico - os juízes não viram esta ajudinha :-)
Tantos grupos de ciclismo perdidos, mas não se pode desesperar... O resto da prova correu bem e até fiz uma corrida acima do esperado nesta altura: 21'30 aos 5kms é um bom registo para mim.

Classificação do atletas do PENICHE A.C.
74º Paulo Sequeira 1h08.54 (32º SN)
120º Paulo Santos 1h14.06 (7º Vet.2)
155º Henrique Venâncio 1h17.52 (79º SN)
166º João Pedro 1h19.06 (10º Sub23)
232º António Vitorino 1h33.07 (23º Vet.1)
233º Silvino Muchacho 1h33.10 (1º Vet.5)

Destaque para o regresso do Silvino às competições, coroado com o primeiro lugar no seu escalão. Parabéns!
A equipa fechou no 21º lugar.

segunda-feira, abril 5

Como foi o XTerra


Realmente a filosofia deste circuito, que pela primeira vez teve uma etapa em Portugal, é bastante radical e ofereceu-nos uma prova que me fez superar algumas capacidades, principalmente no BTT onde eu sou muito "passarinho".
Cheguei na sexta-feira à Figueira da Foz e depois de levantado o dorsal fui experimentar o percurso de BTT. As dificuldades foram muitas e vi logo o meu destino traçado: 10% do circuito não era para ser feito em cima da bicicleta. O percurso muito técnico oferecia uma variedade de terrenos que certamente os amantes desta modalidade gostaram, mas eu muitas vezes não pude desfrutar da beleza da zona, porque estava demasiado ocupado em manter-me em cima da bike ou em a levar às costas. Valeu o jantar na Quinta da Salmanha que estava muito bem confeccionado e num ambiente acolhedor (boa escolha da organização).
Veio uma noite de temporal em que choveu imenso e eu pensava que os trilhos deveriam estar piores quando fosse para a prova.
No sábado levanto-me para ver a prova de lazer e foi triste ver apenas 13 candidatos na partida... Deveriam estar mais de 50 pessoas na organização a garantir a segurança dos percursos e apenas aqueles atletas!!!! (algo correu mal na promoção desta prova)
No entanto esta prova deu para ver que a natação também iria levantar alguns problemas, pois as correntes no Mondego complicaram de tal forma que 5 ou 6 atletas foram obrigados a voltar de barco sem conseguir cumprir a volta à bóia na margem esquerda.
Aguardei a chegada dos colegas da minha equipa (Sica e Mário) e lá começamos a tratar das coisas para dar entrada no PT. Ainda deu tempo para mostrar o areal onde se iria desenrolar a corrida e a primeira subida e ponto de retorno do BTT.
Preparados para a partida lá fomos avançando para o rio... Uuuuuuuuiiii quando a água tocou no meu pé decidi não fazer aquecimento dentro de água. 13 graus não dá para entrar e voltar a sair que era o que os juízes já tinham informado. Mais vale arrancar sem aquecimento... Os primeiros 100m à morte para conseguir estabilizar a temperatura corporal e depois entrar no meu ritmo. Mesmo com algumas correcções de trajectória, por causa da corrente, fiz o meu normal: 27 minutos. Nem dei pelos aguaceiros fortes que caíram entretanto.
Arranque para o BTT e metendo o meu passo "calmo" foi obrigado a encostar várias vezes para deixar passar o pessoal craque nestas andanças, mas que nadaram mais devagar. Cerca de uma hora para a primeira volta e não desanimei porque estava à espera de pior. A segunda volta foi completamente solitária e já com as pernas pesaditas, mas concluí com 2h04. Mudança para a corrida que já sabia bem difícil - correr em areia solta não é pêra doce quando se tem 82kg - e fui ultrapassando os obstáculos do percurso (escadas, troncos, valas, etc) com bastante cuidado porque os músculos já estavam a gemer. Os 4 kms de areal foram penosos, mas já só via a meta na minha frente. 52 minutos para a corrida, 3h26m para o total e a refrescante sensação de ter feito o triatlo mais difícil até hoje. Quando concluir um IM logo vos conto :-)

Age Groups do PENICHE AC:
44º Paulo Sequeira 3h06.24 (12º M35-39)
64º Mário Sousa 3h24.15 (6º M45-49)
68º Paulo Santos 3h26.38 (7º M45-49)


Vídeos do Sica e do Mário

quinta-feira, abril 1

XTerra

Sábado na Figueira da Foz, no final da prova, agradeço que tenham à minha espera uma semana de repouso, para recuperar disto: